Receba as notícias:

Jovens que vêem 20 horas de TV por semana
têm sémen de baixa qualidade

Estudo da Universidade de Harvard revela
que qualidade aumenta com a prática de exercício físico

2013-02-15
Praticar 15 ou mais horas de exercío por semana aumenta a qualidade do esperma (créditos: Patrick Gruban)
Praticar 15 ou mais horas de exercío por semana aumenta a qualidade do esperma (créditos: Patrick Gruban)

Segundo vários estudos, a qualidade do sémen tem vindo a decair nas últimas décadas. O comportamento sedentário parece estar ligado a esse facto.

Um novo estudo de investigadores da Universidade de Harvard – publicado no British «Journal of Sports Medicine» – vem agora comparar a qualidade do esperma de jovens com comportamentos distintos: os que assistem a mais de 20 horas de televisão por semana e os que praticam 15 horas ou mais de actividade física por semana. A concentração de espermatozóides revelou-se mais alta no segundo grupo.

Na análise participaram homens com idades compreendidas entre os 18 e os 22 anos. A qualidade do sémen foi avaliada a partir da concentração de espermatozóides, a sua motilidade, morfologia e contagem total.

A concentração e a contagem total estão, revela o estudo, directamente associadas à actividade física. Os jovens que praticavam 15 ou mais horas de exercício tinham 73 por cento mais concentração de espermatozóides do que os que se exercitavam apenas 5 horas.

Passar muitas horas sentado em frente à televisão faz com que os números baixem drasticamente. Os homens que assistiam a mais de 20 horas por semana de TV tinham 44 por cento menos concentração de espermatozóides do que aos não assistiam.

Estas medições, no entanto, explicam os investigadores, não estão associadas significativamente à motilidade dos espermatozóides ou à sua morfologia.

Artigo: Physical activity and television watching in relation to semen quality in young men

MARIA LUISA
2013-02-19
17:56
Quanto mais leio mais sinto vontade de ler.Porque? existe sempre um estudioso fazendo pesquisa.Olha esta realizada,recentemente por que é bom sabermos mais ainda sobre a utilidade em se praticar cada vez mais exercícios diários.Eu participo de um site que se chama não ligue a tv. E agora vejo o quanto ela influência nossos jovens.
Aderson Oliveira de Azevedo
2013-02-20
18:16
A redução de espermatosoide, esta ligada à radiações da TV ou à falta de atividades físicas?

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Santuário de pesca no Índico concilia
conservação e alívio da pobreza

Mais quatro cientistas portugueses escolhidos para a EMBO

Endoscopia em 2035: Que futuro antecipar?

“Login, logo existo?”

MORREU MARIANO GAGO

Siemens desenvolve sistema de sensores
que facilita o estacionamento nas cidades

Artista português e cientista da Harvard Medical School
criam escultura inspirada na biologia celular

Quais as principais características
nutricionais e funcionais da bolota?

UBI acelera processo na luta contra o cancro

Coimbra estuda dieta das aves das Galápagos

Olfacto humano ajuda a desvendar crimes violentos

Aluno da FCUL cria barómetro de eficiência energética

UA desenvolve tecnologia para armazenar
e dar mobilidade à eletricidade

Industrialização e “conjuntos sociotecnológicos”
– o caso dos laticínios açorianos

No more bleeding for “iron overload” patients?

Coimbra dá importante contributo
para aplicação da terapia génica

Estudo inédito do sofrimento na deficiência visual
vale nota 20 a aluna quase cega

Prémio Terre de Femmes para bióloga da UA

Encontrado o gene responsável
pela reacção das plantas ao toque

Dores nas costas e hérnias discais

Investigação sobre Cancro, AVC e descontaminação da água
por medicamentos distingue jovens investigadoras

UTAD investiga valor nutricional do leite de golfinhos

Terapia amiga do ambiente descontamina
águas das pisciculturas

Portas abertas para novos tratamentos
para a artrite reumatóide

Gosta de merujes? Vão aparecer na sua mesa!

Estudantes de medicina apostam
na formação científica e humana

Investigadora da Universidade de Coimbra premiada
pela Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

UC estuda o impacto do novo metro igeiro de Macau

Hepatite C: nova realidade, novos horizontes

Saúde do cérebro e do coração começa na boca