Receba as notícias:

IPATIMUP descobre forma de prever
prognóstico de pacientes com cancro gástrico

Caderina-E permite identificar diferentes características da doença

2013-02-15
Por Marlene Moura (texto)
Equipa do IPATIMUP (Imagem: D.R.)
Equipa do IPATIMUP (Imagem: D.R.)
Uma equipa do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP), liderada por Carla Oliveira, descobriu uma forma de prever o prognóstico de pacientes com cancro do estômago, alterando a estrutura da molécula caderina-E – gene relacionado com cancro gástrico hereditário. A investigação será publicada na edição de Março da «Journal of Clinical Oncology» e contou com a colaboração de cientistas italianos, já que a série de tumores em estudo veio de Siena, Itália.

O cancro do estômago é um tipo de doença prevalente em Portugal, sendo a segunda causa de morte por patologia oncológica. Só no nosso país surgem 37 novos casos por 100 mil habitantes por ano, em incidência, contra nove casos por 100 mil habitantes nos Estados Unidos, segundo dados avançados por Carla Oliveira ao jornal «Ciência Hoje».
A caderina-E é uma molécula determinante em formas familiares da doença (por hereditariedade), mas é também encontrada no cancro esporádico de estômago; “por isso, se torna tão importante estudá-la”, referiu a investigadora.

Em 100 por cento dos cancros gástricos, 90 por cento são esporádicos e dez por cento são hereditários, mas desta última percentagem “um por cento tem alteração germinativa da caderina-E e os outros nove por cento são de origem desconhecida”, continuou sublinhando que “os outros 90 por cento têm ausência de expressão da molécula ou deslocalização e, quando isso acontece, os tecidos não conseguem fazer a adesão e manter a sua arquitectura”, ou seja, “as células ficam deslocadas” – uma das origens do cancro e do aparecimento de metáteses.

Recorde-se que as caderinas são moléculas de adesão celular, que permitem a ligação entre células vizinhas.

Pior sobrevida

No entanto, fazer o estudo da expressão da proteína não permite prever um prognóstico dos doentes. Sendo assim, a equipa procurou alterar a estrutura do gene para encontrar um marcador de prognóstico e, segundo os resultados, “os doentes com tumores que apresentassem alterações estruturais e perdiam porções da proteína, tinham pior sobrevida”, acentuou ainda.

As conclusões revelaram ainda que dentro destes havia um grupo particular com o pior prognóstico de todos – “os que tinham simultaneamente história de cancro intestinal familiar”, cuja sobrevida não excedia os dois anos.

Uma das possíveis consequências do estudo é a monitorização dos familiares destes doentes, de forma a apertar o espaço de vigilância e fazer uma prevenção atempada.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Subvalorizar o Ébola é crime!

Pepinos do mar já podem ser produzidos em aquacultura

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro

Porquê eu? Muitas mulheres que vivem na pobreza
culpam os filhos e a vida amorosa

O papel dos "oásis" oceânicos nas interacções
entre organismos marinhos

Planta substituta de sal desenvolvida
em cultura in vitro por aluna da UTAD

Trabalho de investigadores da UA
cruza-se com o do Nobel da Física 2014

José Vieira da Universidade do Minho
foi eleito presidente da FEANI

Machimosaurus: o crocodilomorfo
de nove metros do Jurássico de Portugal

Investigação do IMM sobre causas e tratamento
da doença de Crohn premiada nos EUA

Jet lag prejudica funções cognitivas a curto prazo

Quando melhores descobertas ganham destaque
nas primeiras páginas dos jornais e nos telejornais

Investigadores do Porto distinguidos com prémio Grünenthal Dor

Fundação Champalimaud e governo do Rajastão
investem em clínica para o cancro

Visão sem precedentes de duzentas galáxias no Universo

Pistas para a neutralização do HIV

Homens e mulheres avaliam arte de forma diferente

Aumento do desemprego (também) pode
colocar em causa o futuro da Segurança Social

Colar os cromossomas no sítio certo

Cientista Português identifica mecanismo que evita
o suicídio celular e um potencial alvo contra o cancro

Maior painel termodinâmico do mundo é português

Jogos interactivos auxiliam vítimas de AVC

Nobel da Química premeia invenção
do microscópio fluorescente de alta resolução

Cientistas europeus manifestam-se dia 17
em Espanha, França e Itália