Receba as notícias:

IPATIMUP descobre forma de prever
prognóstico de pacientes com cancro gástrico

Caderina-E permite identificar diferentes características da doença

2013-02-15
Por Marlene Moura (texto)
Equipa do IPATIMUP (Imagem: D.R.)
Equipa do IPATIMUP (Imagem: D.R.)
Uma equipa do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP), liderada por Carla Oliveira, descobriu uma forma de prever o prognóstico de pacientes com cancro do estômago, alterando a estrutura da molécula caderina-E – gene relacionado com cancro gástrico hereditário. A investigação será publicada na edição de Março da «Journal of Clinical Oncology» e contou com a colaboração de cientistas italianos, já que a série de tumores em estudo veio de Siena, Itália.

O cancro do estômago é um tipo de doença prevalente em Portugal, sendo a segunda causa de morte por patologia oncológica. Só no nosso país surgem 37 novos casos por 100 mil habitantes por ano, em incidência, contra nove casos por 100 mil habitantes nos Estados Unidos, segundo dados avançados por Carla Oliveira ao jornal «Ciência Hoje».
A caderina-E é uma molécula determinante em formas familiares da doença (por hereditariedade), mas é também encontrada no cancro esporádico de estômago; “por isso, se torna tão importante estudá-la”, referiu a investigadora.

Em 100 por cento dos cancros gástricos, 90 por cento são esporádicos e dez por cento são hereditários, mas desta última percentagem “um por cento tem alteração germinativa da caderina-E e os outros nove por cento são de origem desconhecida”, continuou sublinhando que “os outros 90 por cento têm ausência de expressão da molécula ou deslocalização e, quando isso acontece, os tecidos não conseguem fazer a adesão e manter a sua arquitectura”, ou seja, “as células ficam deslocadas” – uma das origens do cancro e do aparecimento de metáteses.

Recorde-se que as caderinas são moléculas de adesão celular, que permitem a ligação entre células vizinhas.

Pior sobrevida

No entanto, fazer o estudo da expressão da proteína não permite prever um prognóstico dos doentes. Sendo assim, a equipa procurou alterar a estrutura do gene para encontrar um marcador de prognóstico e, segundo os resultados, “os doentes com tumores que apresentassem alterações estruturais e perdiam porções da proteína, tinham pior sobrevida”, acentuou ainda.

As conclusões revelaram ainda que dentro destes havia um grupo particular com o pior prognóstico de todos – “os que tinham simultaneamente história de cancro intestinal familiar”, cuja sobrevida não excedia os dois anos.

Uma das possíveis consequências do estudo é a monitorização dos familiares destes doentes, de forma a apertar o espaço de vigilância e fazer uma prevenção atempada.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Tristeza permanece mais tempo do que outras emoções

Refrigeração magnética dá prémio internacional
a jovem cientista português

Fantasias sexuais: você é normal?

Maria Machado, do CIIMAR, com o melhor poster
na Conferência Europeia de Aquacultura

Detectar metástases pela axila e usar estímulos elétricos para recuperação motora

Crianças com melhor coordenação motora
apresentaram melhores resultados em tarefas cognitivas

Vai um queijo da Serra da Estrela com flor de castanheiro?

Nasce o maior instituto de investigação
em astrofísica de Portugal

Universidade de Aveiro «exporta» pastéis de nata

Como «infectar» as células vizinhas normais
tornando-as cancerosas

Mais mulheres menos cancro da próstata?

UMinho desenvolve método
para a libertação direccionada de fármacos

Para acabar (de vez?) com a turbulência nos aviões

Investigadores descobrem como os micróbios
constroem um poderoso antibiótico

Investigadora do CEDOC vence prémio FAZ Innovate Competition

UMinho cria gestor de exames à la carte

How tilapias use urine to attract females

UC participa solução inovadora
de apoio a pacientes em reabilitação cardíaca

Novos métodos para manter a qualidade das batatas

Cunha-Vaz distinguido com Prémio Albert C. Muse

Bactéria da flora intestinal de mosquitos
pode bloquear transmissão de malária e dengue

Subvalorizar o Ébola é crime!

Pepinos do mar já podem ser produzidos em aquacultura

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro