Receba as notícias:

IPATIMUP descobre forma de prever
prognóstico de pacientes com cancro gástrico

Caderina-E permite identificar diferentes características da doença

2013-02-15
Por Marlene Moura (texto)
Equipa do IPATIMUP (Imagem: D.R.)
Equipa do IPATIMUP (Imagem: D.R.)
Uma equipa do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP), liderada por Carla Oliveira, descobriu uma forma de prever o prognóstico de pacientes com cancro do estômago, alterando a estrutura da molécula caderina-E – gene relacionado com cancro gástrico hereditário. A investigação será publicada na edição de Março da «Journal of Clinical Oncology» e contou com a colaboração de cientistas italianos, já que a série de tumores em estudo veio de Siena, Itália.

O cancro do estômago é um tipo de doença prevalente em Portugal, sendo a segunda causa de morte por patologia oncológica. Só no nosso país surgem 37 novos casos por 100 mil habitantes por ano, em incidência, contra nove casos por 100 mil habitantes nos Estados Unidos, segundo dados avançados por Carla Oliveira ao jornal «Ciência Hoje».
A caderina-E é uma molécula determinante em formas familiares da doença (por hereditariedade), mas é também encontrada no cancro esporádico de estômago; “por isso, se torna tão importante estudá-la”, referiu a investigadora.

Em 100 por cento dos cancros gástricos, 90 por cento são esporádicos e dez por cento são hereditários, mas desta última percentagem “um por cento tem alteração germinativa da caderina-E e os outros nove por cento são de origem desconhecida”, continuou sublinhando que “os outros 90 por cento têm ausência de expressão da molécula ou deslocalização e, quando isso acontece, os tecidos não conseguem fazer a adesão e manter a sua arquitectura”, ou seja, “as células ficam deslocadas” – uma das origens do cancro e do aparecimento de metáteses.

Recorde-se que as caderinas são moléculas de adesão celular, que permitem a ligação entre células vizinhas.

Pior sobrevida

No entanto, fazer o estudo da expressão da proteína não permite prever um prognóstico dos doentes. Sendo assim, a equipa procurou alterar a estrutura do gene para encontrar um marcador de prognóstico e, segundo os resultados, “os doentes com tumores que apresentassem alterações estruturais e perdiam porções da proteína, tinham pior sobrevida”, acentuou ainda.

As conclusões revelaram ainda que dentro destes havia um grupo particular com o pior prognóstico de todos – “os que tinham simultaneamente história de cancro intestinal familiar”, cuja sobrevida não excedia os dois anos.

Uma das possíveis consequências do estudo é a monitorização dos familiares destes doentes, de forma a apertar o espaço de vigilância e fazer uma prevenção atempada.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Aves fogem para Norte

Iniciativa monitoriza estado de saúde, aptidão física
e rendimento táctico de bombeiros em contexto de combate

Investigadores do Algarve combatem células tumorais
com extractos de plantas de sapal

Aditivos mais naturais?

UTAD alerta para os riscos do consumo de bivalves
produzidos em ambientes poluídos

Podemos prever a evolução?

Um Nobel de medicina que nem medicina sabe

Menopausa e a osteoporose: estudo premeia
investigadora de Coimbra

A revolução dos filmes de cristais líquidos

Abutre-preto volta ao Alentejo 40 anos depois

Grafeno mais sílica: a revolução
da indústria tecnológica do futuro

De como um smartphone pode controlar
a qualidade dos óleos de fritar

Cátedra do Real Madrid aprova projecto que envolve
a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

António Damásio profere conferência no Porto

Investigadora portuguesa revela novo método
de detecção precoce de cancro do pâncreas

Universidade da Beira Interior
com avanços no cancro da próstata

Investigadores portugueses distinguidos
por avanços na área da dor

Identidade, valores, modernidade: o meu livro
sobre o pensamento de Onésimo Teotónio Almeida

Nanopartícula entrega moléculas terapêuticas
a tumores cerebrais malignos

Portugal conquista prémio europeu
de conservação da natureza

E se lhe oferecerem um chão inteligente?

Plantas portuguesas dão origem a infusões de qualidade premium

CR7 já não é uma estrela! É uma galáxia!

EGO em Aveiro: uma peça do inventor da pílula

Estrutura social é importante na conservação de espécies

Philae acordou e mandou notícias

Coimbra indica nova direcção para o tratamento
dos vários tipos de cancro

Aveiro cria o anjo da guarda dos condutores

Cientista português financiado por March of Dimes
para estudar malária durante a gravidez

Barcelona cria sistema para avaliação cognitiva
de trabalhadores com deficiência cognitiva