Receba as notícias:

IPATIMUP descobre forma de prever
prognóstico de pacientes com cancro gástrico

Caderina-E permite identificar diferentes características da doença

2013-02-15
Por Marlene Moura (texto)
Equipa do IPATIMUP (Imagem: D.R.)
Equipa do IPATIMUP (Imagem: D.R.)
Uma equipa do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP), liderada por Carla Oliveira, descobriu uma forma de prever o prognóstico de pacientes com cancro do estômago, alterando a estrutura da molécula caderina-E – gene relacionado com cancro gástrico hereditário. A investigação será publicada na edição de Março da «Journal of Clinical Oncology» e contou com a colaboração de cientistas italianos, já que a série de tumores em estudo veio de Siena, Itália.

O cancro do estômago é um tipo de doença prevalente em Portugal, sendo a segunda causa de morte por patologia oncológica. Só no nosso país surgem 37 novos casos por 100 mil habitantes por ano, em incidência, contra nove casos por 100 mil habitantes nos Estados Unidos, segundo dados avançados por Carla Oliveira ao jornal «Ciência Hoje».
A caderina-E é uma molécula determinante em formas familiares da doença (por hereditariedade), mas é também encontrada no cancro esporádico de estômago; “por isso, se torna tão importante estudá-la”, referiu a investigadora.

Em 100 por cento dos cancros gástricos, 90 por cento são esporádicos e dez por cento são hereditários, mas desta última percentagem “um por cento tem alteração germinativa da caderina-E e os outros nove por cento são de origem desconhecida”, continuou sublinhando que “os outros 90 por cento têm ausência de expressão da molécula ou deslocalização e, quando isso acontece, os tecidos não conseguem fazer a adesão e manter a sua arquitectura”, ou seja, “as células ficam deslocadas” – uma das origens do cancro e do aparecimento de metáteses.

Recorde-se que as caderinas são moléculas de adesão celular, que permitem a ligação entre células vizinhas.

Pior sobrevida

No entanto, fazer o estudo da expressão da proteína não permite prever um prognóstico dos doentes. Sendo assim, a equipa procurou alterar a estrutura do gene para encontrar um marcador de prognóstico e, segundo os resultados, “os doentes com tumores que apresentassem alterações estruturais e perdiam porções da proteína, tinham pior sobrevida”, acentuou ainda.

As conclusões revelaram ainda que dentro destes havia um grupo particular com o pior prognóstico de todos – “os que tinham simultaneamente história de cancro intestinal familiar”, cuja sobrevida não excedia os dois anos.

Uma das possíveis consequências do estudo é a monitorização dos familiares destes doentes, de forma a apertar o espaço de vigilância e fazer uma prevenção atempada.

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

Investigadora da UC financiada para estudar
combate à retinopatia diabética

Excesso de peso aos 50 anos pode provocar
surgimento precoce de Alzheimer

Só Cávado, Lisboa, Setúbal e Algarve
não perderão população

Descoberta da Universidade de Coimbra pode ajudar
a tratar doenças do coração

Eco Camp revela cidade completamente sustentável

Esperança média de vida mundial
cresce seis anos mas com pior saúde

Implicações da expansão do Canal de Suez
na biodiversidade marinha do Mediterrâneo

Vacina universal contra a gripe
pode estar mais perto de ser desenvolvida

UTAD aposta em “jardins terapêuticos”

Café ajuda no combate ao cancro do cólon

Em busca da matéria escura

Trabalhar em demasia potencia risco de AVC

Cigarro electrónico é menos nocivo do que o normal

Já pode consultar estado dos incêndios em tempo real

Doutorando português vence prémio internacional

OMS cria em Macau centro de cooperação
para a medicina tradicional chinesa

Inadequação social, desemprego e problemas financeiros
«ajudam» a manter consumo de drogas

Brasil poderá ter vacina contra dengue em 2018

Médico português cria ‘app’ para diagnosticar
doenças sexuais masculinas

Português recebe prémio de melhor tese
de doutoramento do Mundo

Cientista português participa em estudo que revela
perturbações idênticas às da esquizofrenia e autismo

Brasil constrói laboratório de combate à tuberculose
em São Tomé e Príncipe

Docente da Universidade de Coimbra
preside a rede europeia

Fórum Económico Mundial destaca start-up da UMinho

Campanha de vacinação em Timor-Leste
beneficia mais de 93% das criança por cento

Suplemento alimentar para vacas leiteiras
reduz emissões de metano

Como proliferam as células dos vasos sanguíneos
em redor de um tumor

Sistema híbrido à base de hidrogel
«ataca» cancro da próstata

Insecto vai atacar uma das piores plantas invasoras em Portugal

Português na descoberta de que redução de enzima
na doença de Parkinson abre portas a novos tratamentos