Receba as notícias:

Cataratas : o tratamento é cirúrgico

Por Paulo Guerra, médico oftalmologista

2013-05-26
Paulo Guerra
Paulo Guerra
É uma doença conhecida há milhares de anos e a sua cirurgia já é realizada há séculos. Nos últimos anos a medicina deu um passo de gigante e já é possível operar a catarata e no mesmo dia ir para casa a ver. O primeiro sinal é um embaciamento do olhos. Esta é uma das patologias que mais frequentemente afecta a população sénior e com tendência para aumentar, acompanhando o aumento da esperança de vida da população.
O que é uma catarata?

A catarata corresponde a uma opacificação do cristalino (lente existente dentro do olho que nos permite focar objectos a diferentes distâncias). As cataratas podem ser ligeiras, afectando sobretudo a qualidade de visão, ou então avançadas, com grande opacificação, originando profunda diminuição da qualidade e quantidade de visão.

A catarata é uma doença oftalmológica comum?

É uma das patologias mais frequentes em oftalmologia tipicamente associada a idade ou a diversas e é a causa mais frequente de cegueira reversível (curável) em países desenvolvidos.

Em Portugal, vários estudos permitem estimar que seis em cada dez pessoas com mais de 60 anos apresentam sinais desta doença. Podemos dizer que de acordo com a fisiopatologia do cristalino se todos vivessemos até aos 150 anos todos iriamos ter cataratas.

Que tipos de cataratas existem?

A catarata corresponde a uma opacificação do cristalino
A catarata corresponde a uma opacificação do cristalino
Existem diversos tipos. A forma mais frequente é aquela que surge com a idade na ausência de outras doenças. No entanto, as cataratas podem surgir secundariamente a uma doença sistémica como, por exemplo, a diabetes Mellitus, a uma doença ocular como uma alta miopia, a um traumatismo ocular ou até à toma de determinados medicamentos nomeadamente os fármacos à base de cortisona. As suas diferentes causas podem também estar associadas a diferentes tipos morfológicos de catarata, nomeadamente: nucleares, corticais, subcapsulares posteriores..

Quais os sintomas do doente com catarata?

O sintoma mais comum é a diminuição da acuidade visual tipicamente associada a presença de uma visão turva (enevoada). Existem outros sintomas como, por exemplo, alteração da visão das cores, visão dupla de um só olho, diminuição do contraste.

Qual o tratamento das cataratas?

Até à data não existem tratamentos conservadores (médicos) com eficácia comprovada que permitam tratar uma catarata e, portanto, o tratamento é sempre cirúrgico.

Quero salientar, ainda, que é comum pacientes geralmente com mais de 50 anos e que pretendem ser mais independentes dos óculos, recorram a cirurgia refractiva de cristalino para corrigirem erros refractivos elevados, por exemplo miopias ou hipermetropias elevadas. É uma cirurgia em tudo idêntica à cirurgia de catarata, no entanto, aqui ainda não existe catarata.


Quando é que se devem operar as cataratas?

Quando a visão dos pacientes já não é suficiente para permitir realizar a sua atividade diária ou profissional. Geralmente em indivíduos idosos com uma vida mais calma a indicação cirúrgica está situada nos 50 por cento de visão, enquanto, por exemplo, num indivíduo mais jovem, activo, geralmente opera-se com visões superiores de acordo com as suas necessidades e limitações.

A cirurgia está indicada também quando a catarata interfere com a vigilância ou tratamento de outra doença visual.

Em que consiste a cirurgia de catarata?

É uma das patologias mais frequentes em oftalmologia tipicamente associada a idade
É uma das patologias mais frequentes em oftalmologia tipicamente associada a idade
Na cirurgia de catarata o que cirurgião oftalmológico faz é substituir o cristalino opacificado por uma lente intraocular de elevada qualidade óptica.

Mais sobre a cirurgia da catarata...

Decorre em ambiente estéril, num bloco operatório adequado para o efeito e com recurso a tecnologia específica que utiliza ultrassons para remover o cristalino opacificado.

É realizada habitualmente em regime de ambulatório (alta no próprio dia da cirurgia), e com anestesia local (gotas), sem dor para o doente e é cirurgia associada a uma elevada satisfação do doente uma vez que na ausência de outras doenças oftalmológicas os doentes recuperam totalmente a sua visão

Após a cirurgia ainda é preciso usar óculos?

Depois da cirurgia é habitual serem receitados óculos, sobretudo para corrigir a visão de perto (a lente intraocular introduzida durante a cirurgia retira qualquer capacidade ainda existente de visão para perto uma vez que, ao contrário do cristalino humano, ela não tem essas propriedades acomodativas).

Algumas lentes intraoculares mais modernas e que já utilizamos na Clinica Europa permitem uma visão para longe e perto, obviando a necessidade de óculos – LIO multifocais.

A catarata não volta a aparecer?

Não. O que por vezes acontece alguns anos após a cirurgia, é uma opacificação secundária da cápsula (estrutura que apoia/sustenta a LIO) podendo ser necessário um tratamento com laser para limpar essa cápsula, o qual é bastante eficaz.

Paulo Guerra
www.clinicaeuropa.pt

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

A Ciência na educação pré-escolar

A guerra dos espermatozóides

O Viagra protege o coração para além do quarto

Premiado dispositivo portátil
para recuperar lesões desportivas

Aí está o andarilho inteligente motorizado
com «marca» portuguesa

Ajuda de emergência para «overdoses»

Investigadores portugueses abrem novas possibilidades
no desenho de vacinas contra o cancro

Porquê eu? Muitas mulheres que vivem na pobreza
culpam os filhos e a vida amorosa

O papel dos "oásis" oceânicos nas interacções
entre organismos marinhos

Planta substituta de sal desenvolvida
em cultura in vitro por aluna da UTAD

Trabalho de investigadores da UA
cruza-se com o do Nobel da Física 2014

José Vieira da Universidade do Minho
foi eleito presidente da FEANI

Machimosaurus: o crocodilomorfo
de nove metros do Jurássico de Portugal

Investigação do IMM sobre causas e tratamento
da doença de Crohn premiada nos EUA

Jet lag prejudica funções cognitivas a curto prazo

Quando melhores descobertas ganham destaque
nas primeiras páginas dos jornais e nos telejornais

Investigadores do Porto distinguidos com prémio Grünenthal Dor

Fundação Champalimaud e governo do Rajastão
investem em clínica para o cancro

Visão sem precedentes de duzentas galáxias no Universo

Pistas para a neutralização do HIV

Homens e mulheres avaliam arte de forma diferente

Aumento do desemprego (também) pode
colocar em causa o futuro da Segurança Social

Colar os cromossomas no sítio certo

Cientista Português identifica mecanismo que evita
o suicídio celular e um potencial alvo contra o cancro

Maior painel termodinâmico do mundo é português

Jogos interactivos auxiliam vítimas de AVC

Nobel da Química premeia invenção
do microscópio fluorescente de alta resolução

Cientistas europeus manifestam-se dia 17
em Espanha, França e Itália

Nobel da Física para os japoneses dos LED azuis

Consumo crónico de melatonina
combate a obesidade e a diabetes