Receba as notícias:

Cataratas : o tratamento é cirúrgico

Por Paulo Guerra, médico oftalmologista

2013-05-26
Paulo Guerra
Paulo Guerra
É uma doença conhecida há milhares de anos e a sua cirurgia já é realizada há séculos. Nos últimos anos a medicina deu um passo de gigante e já é possível operar a catarata e no mesmo dia ir para casa a ver. O primeiro sinal é um embaciamento do olhos. Esta é uma das patologias que mais frequentemente afecta a população sénior e com tendência para aumentar, acompanhando o aumento da esperança de vida da população.
O que é uma catarata?

A catarata corresponde a uma opacificação do cristalino (lente existente dentro do olho que nos permite focar objectos a diferentes distâncias). As cataratas podem ser ligeiras, afectando sobretudo a qualidade de visão, ou então avançadas, com grande opacificação, originando profunda diminuição da qualidade e quantidade de visão.

A catarata é uma doença oftalmológica comum?

É uma das patologias mais frequentes em oftalmologia tipicamente associada a idade ou a diversas e é a causa mais frequente de cegueira reversível (curável) em países desenvolvidos.

Em Portugal, vários estudos permitem estimar que seis em cada dez pessoas com mais de 60 anos apresentam sinais desta doença. Podemos dizer que de acordo com a fisiopatologia do cristalino se todos vivessemos até aos 150 anos todos iriamos ter cataratas.

Que tipos de cataratas existem?

A catarata corresponde a uma opacificação do cristalino
A catarata corresponde a uma opacificação do cristalino
Existem diversos tipos. A forma mais frequente é aquela que surge com a idade na ausência de outras doenças. No entanto, as cataratas podem surgir secundariamente a uma doença sistémica como, por exemplo, a diabetes Mellitus, a uma doença ocular como uma alta miopia, a um traumatismo ocular ou até à toma de determinados medicamentos nomeadamente os fármacos à base de cortisona. As suas diferentes causas podem também estar associadas a diferentes tipos morfológicos de catarata, nomeadamente: nucleares, corticais, subcapsulares posteriores..

Quais os sintomas do doente com catarata?

O sintoma mais comum é a diminuição da acuidade visual tipicamente associada a presença de uma visão turva (enevoada). Existem outros sintomas como, por exemplo, alteração da visão das cores, visão dupla de um só olho, diminuição do contraste.

Qual o tratamento das cataratas?

Até à data não existem tratamentos conservadores (médicos) com eficácia comprovada que permitam tratar uma catarata e, portanto, o tratamento é sempre cirúrgico.

Quero salientar, ainda, que é comum pacientes geralmente com mais de 50 anos e que pretendem ser mais independentes dos óculos, recorram a cirurgia refractiva de cristalino para corrigirem erros refractivos elevados, por exemplo miopias ou hipermetropias elevadas. É uma cirurgia em tudo idêntica à cirurgia de catarata, no entanto, aqui ainda não existe catarata.


Quando é que se devem operar as cataratas?

Quando a visão dos pacientes já não é suficiente para permitir realizar a sua atividade diária ou profissional. Geralmente em indivíduos idosos com uma vida mais calma a indicação cirúrgica está situada nos 50 por cento de visão, enquanto, por exemplo, num indivíduo mais jovem, activo, geralmente opera-se com visões superiores de acordo com as suas necessidades e limitações.

A cirurgia está indicada também quando a catarata interfere com a vigilância ou tratamento de outra doença visual.

Em que consiste a cirurgia de catarata?

É uma das patologias mais frequentes em oftalmologia tipicamente associada a idade
É uma das patologias mais frequentes em oftalmologia tipicamente associada a idade
Na cirurgia de catarata o que cirurgião oftalmológico faz é substituir o cristalino opacificado por uma lente intraocular de elevada qualidade óptica.

Mais sobre a cirurgia da catarata...

Decorre em ambiente estéril, num bloco operatório adequado para o efeito e com recurso a tecnologia específica que utiliza ultrassons para remover o cristalino opacificado.

É realizada habitualmente em regime de ambulatório (alta no próprio dia da cirurgia), e com anestesia local (gotas), sem dor para o doente e é cirurgia associada a uma elevada satisfação do doente uma vez que na ausência de outras doenças oftalmológicas os doentes recuperam totalmente a sua visão

Após a cirurgia ainda é preciso usar óculos?

Depois da cirurgia é habitual serem receitados óculos, sobretudo para corrigir a visão de perto (a lente intraocular introduzida durante a cirurgia retira qualquer capacidade ainda existente de visão para perto uma vez que, ao contrário do cristalino humano, ela não tem essas propriedades acomodativas).

Algumas lentes intraoculares mais modernas e que já utilizamos na Clinica Europa permitem uma visão para longe e perto, obviando a necessidade de óculos – LIO multifocais.

A catarata não volta a aparecer?

Não. O que por vezes acontece alguns anos após a cirurgia, é uma opacificação secundária da cápsula (estrutura que apoia/sustenta a LIO) podendo ser necessário um tratamento com laser para limpar essa cápsula, o qual é bastante eficaz.

Paulo Guerra
www.clinicaeuropa.pt

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

Últimas notícias

As células estaminais fazem dieta até à morte

Um pedaço crucial de informação
no puzzle molecular oncológico

IMM avança no estudo de miopatia centronuclear

Cientistas do IST propõem teste experimental
para a equação mais exótica da física clássica

Português galardoado pela primeira vez
com prémio norte-americano em biologia reprodutiva

Investigador da UC preside a comissão mundial responsável
pela descrição e classificação de bactérias

Empreendedores Portugueses aceleram nos Estados Unidos
em programa de imersão «inRes»

Universidade de Coimbra no topo
da imagiologia molecular mundial

Leptospirose humana nos Açores:
da resposta imunológica à susceptibilidade genética

«Meu dito, meu escrito» ou de como a Ciência
já conheceu melhores dias em Portugal

O sucesso escolar começa à mesa!

Professora da UMinho vence prémio ibérico de contabilidade

João Falcão e Cunha é o novo director da FEUP

Mega experiência estuda o impacto das alterações climáticas
na biodiversidade da península ibérica

Os porquês do colapso da plataforma de gelo Larsen B

Investigadora de Coimbra reduz em 26,5%
a ocorrência de flebites

Equipa de Coimbra cria aerogel em spray
que permite isolar foguetões

Bioquímica portuguesa homenageada em Estocolmo

Esperar ou não esperar
- o papel da confiança na tomada de decisões

Implantes dentários «ganham» volume ósseo

Em Portugal um tratamento específico
depende da região onde se mora

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro
que viveu num tempo de gigante

Um em cada quatro já traiu

A Ciência da Gestão de Ciência e Tecnologia
– reflexões de uma despedida

A ansiedade de estar doente no hospital?
O ambiente do quarto pode ajudar!

Prémio António Champalimaud reconhece tratamento
revolucionário de doenças graves da visão

João Rocha é o primeiro português
da European Academy of Sciences

O Porto na Guerra Fria

Nariz electrónico pode detectar
subgrupos de asma nas crianças

Oceanos de Esperança chegou a Boston