Receba as notcias:

Os buracos negros podem ser canibais

o que indica estudo realizado por investigador portugus

2013-07-29
Vitor Cardoso  investigador e professor no Instituto Superior Tcnico
Vitor Cardoso investigador e professor no Instituto Superior Tcnico
Seria, por si só, um bom argumento de ficção científica. Mas é verdade: os buracos negros podem ser canibais e “comer” o que geram. Quando dois buracos negros que se movem a velocidades próximas da luz chocam entre si, “comem” até metade das ondas gravitacionais criadas pelo próprio choque. Esta é a conclusão a que chegou o astrofísico português Vitor Cardoso, investigador e professor no Instituto Superior Técnico em Lisboa e mais três colegas, apresentada a 28 de Julho num artigo na revista científica Physical Review Letters (PRL). 
De acordo com a teoria da relatividade geral todos os astros, ao moverem-se no espaço-tempo, criam ondas gravitacionais, ondulações no espaço-tempo que se propagam à velocidade da luz. “As ondas gravitacionais foram previstas por Einstein, já lá vão quase cem anos”, refere Cardoso, “e a comunidade científica tem feito um esforço descomunal nos últimos dez anos para tentar detetá-las directamente.” Mas sem sorte.

Emanuele Berti est na Universidade de Mississippi
Emanuele Berti est na Universidade de Mississippi
O estudo realizado por Vitor Cardoso, Ulrich Sperhake da Universidade de Cambridge, Grã-Bretanha, Emanuele Berti da Universidade de Mississippi e Frans Pretorius da Universidade de Princeton, ambas nos Estados Unidos, tinha como objectivo “testar a conjetura que em inglês se chama “matter doesn’t matter” (“matéria não interessa”), indica Cardoso. Esta conjetura defende que a colisão de dois objectos movendo-se a velocidades próximas da luz dá sempre origem a um buraco negro. “Colidir duas canecas ou colidir duas pessoas a grandes velocidades, não interessa” afirma, rematando “o resultado final é sempre um buraco negro.”

Para comprovar a conjetura “matter doesn’t matter”, Cardoso e os seus colegas simularam a colisão de dois buracos negros com uma característica comum: moverem-se a velocidades próximas da velocidade da luz. “Utilizamos buracos negros nas nossas simulações porque são objetos muito simples,” justifica Cardoso.

“Quando estávamos a fazer o trabalho apercebemo-nos que havia algo que parecia mais interessante: Se a colisão entre os buracos negros não for uma colisão frontal, o processo gera ondas gravitacionais que são absorvidas pelos buracos negros.”

Ulrich Sperhake pertence  Universidade de Cambridge
Ulrich Sperhake pertence Universidade de Cambridge
De acordo com as simulações realizadas por Cardoso e os seus colegas durante a colisão os buracos negros “absorvem 50% da energia cinética inicial”. O resultado final, descreve Cardoso são “buracos negros com menos energia e mais massa, mais lentos mas muito grandes”.

O estudo a ser publicado pela Physical Review Letters poderá ter consequências mais profundas para a astrofísica, no que toca à relação entre as duas teorias basilares da física, a teoria da relatividade geral e a teoria da mecânica quântica. Em conjunto, estas duas teorias explicam os fenómenos que conhecemos. Mas existem pontos em que estas teorias não parecem ser compatíveis.

Em 1969 o físico e matemático britânico Roger Penrose apresentou a conjetura da censura cósmica para lidar com um desses pontos, relativo ao que acontece no interior de um buraco negro.

A teoria da relatividade prevê que no interior de todos os buracos negros existe uma zona, chamada singularidade, em que se concentra toda a massa do buraco negro e que tem uma densidade infinita. Mas “a teoria não está preparada para ter infinitos”, aponta Cardoso. “Além disso, para densidades muito grandes, espera-se que a teoria da mecânica quântica entre no jogo. E nós não sabemos como havemos de pôr mecânica quântica em relatividade geral.”

Frans Pretorius da Universidade de Princeton
Frans Pretorius da Universidade de Princeton
A conjectura da censura cósmica defende que a singularidade de um buraco negro não é visível do exterior porque está sempre protegida pelo horizonte de evento, que Cardoso descreve como “o limite de um buraco negro a partir do qual a luz não sai e portanto a partir do qual não se tem informação nenhuma sobre o que se passa lá dentro.” Assim, continua Cardoso, “mesmo que a teoria da mecânica quântica seja precisa para descrever essa singularidade, nenhum observador no Universo quer saber disso, porque nenhum efeito quântico vai ‘sair’ cá para fora”.

Caso existissem excepções à conjectura da censura cósmica, iria “existir uma classe de objetos no Universo que precisariam da mecânica quântica para serem compreendidos” explica Cardoso, “e como não se sabe incorporar a mecânica quântica na relatividade geral, isso impediria o conhecimento desses objetos”, com consequências muito gravosas para a astrofísica e a cosmologia.

Mas, indica Cardoso, “o nosso estudo indica que quando dois buracos negros colidem, o horizonte de eventos continua a existir” e como tal “o estudo sugere que o censor cósmico funciona”.  

Adicionar comentário:

Comentário
Nome:
Email:
Insira as letras na caixa
Ciência Hoje não publica comentários anónimos. Ciência Hoje só publica comentários identificados com nome e email para eventual posterior contacto. Ciência Hoje recusa publicar comentários insultuosos ou ataques pessoais.

ltimas notcias

Um Nobel de medicina que nem medicina sabe

Menopausa e a osteoporose: estudo premeia
investigadora de Coimbra

A revoluo dos filmes de cristais lquidos

Abutre-preto volta ao Alentejo 40 anos depois

Grafeno mais slica: a revoluo
da indstria tecnolgica do futuro

De como um smartphone pode controlar
a qualidade dos leos de fritar

Ctedra do Real Madrid aprova projecto que envolve
a Universidade de Trs-os-Montes e Alto Douro

Antnio Damsio profere conferncia no Porto

Investigadora portuguesa revela novo mtodo
de deteco precoce de cancro do pncreas

Universidade da Beira Interior
com avanos no cancro da prstata

Investigadores portugueses distinguidos
por avanos na rea da dor

Identidade, valores, modernidade: o meu livro
sobre o pensamento de Onsimo Teotnio Almeida

Nanopartcula entrega molculas teraputicas
a tumores cerebrais malignos

Portugal conquista prmio europeu
de conservao da natureza

E se lhe oferecerem um cho inteligente?

Plantas portuguesas do origem a infuses de qualidade premium

CR7 j no uma estrela! uma galxia!

EGO em Aveiro: uma pea do inventor da plula

Estrutura social importante na conservao de espcies

Philae acordou e mandou notcias

Coimbra indica nova direco para o tratamento
dos vrios tipos de cancro

Aveiro cria o anjo da guarda dos condutores

Cientista portugus financiado por March of Dimes
para estudar malria durante a gravidez

Barcelona cria sistema para avaliao cognitiva
de trabalhadores com deficincia cognitiva

Jos Carlos Prncipe: inovao e cincia
ao servio das empresas

Dar uma mo ou uma pata
o que nos leva a ajudar os outros?

Metodologia inovadora no diagnstico
e tratamento do cancro da mama

Cafena eficaz no combate depresso
revela estudo internacional liderado pela UC

A cultura portuguesa e a cultura das cincias

Um olhar sobre o futuro do sistema
da reviso por pares na academia